Sem estresse!

Sem estresse!

Confira algumas dicas para ter uma rotina mais leve e menos caótica em 2017!

COMPARTILHE

Viver em uma metrópole como São Paulo não é fácil. A cidade é repleta de cultura, lazer e entretenimento, mas também de estresse e dificuldades. No entanto, com um pouco de observação e mudando alguns hábitos aparentemente banais podemos, sim, conquistar uma vida melhor. Mas, para isso, é preciso primeiro aceitar que, em São Paulo, a sua vida nunca será como a de alguém que vive em uma pacata cidadezinha no interior. Você pode conquistar um dia a dia mais tranquilo do que imagina, mas os problemas e desafios da cidade grande – como as longas distâncias e os congestionamentos – sempre estarão por perto. O segredo é descobrir formas menos sofridas de enfrentá-los. E, acredite, parte da solução está dentro de você e na forma como você age diante do que a vida te apresenta!

shutterstock_292193390

Aceite o inesperado e a falta de controle

Frequentemente criamos uma situação de estresse sem necessidade porque queremos ter controle sobre tudo, o que é impossível e faz mal para a saúde. A vida é muito ágil e as coisas podem mudar a qualquer momento. Muitas vezes, a reação que temos diante das situações aumenta as dificuldades em vez de amenizá-las. Por isso, a dica é se policiar para evitar respostas negativas desnecessárias. “Suas atitudes e convicções a respeito de qualquer situação ou acontecimento potencialmente estressante é que determinam a quantidade de estresse que você vai sentir”, diz o psicólogo americano Allen Elkin no livro Feliz Cidade – viva sem estresse na metrópole. Então, quando o trânsito parar de repente e você não puder fazer um caminho alternativo, pare um minuto antes de explodir em raiva e pense que isso não vale a pena. Se estiver indo para uma reunião ou encontro importante, avise quem está te esperando e relaxe. Quando não há como resolver um problema, o melhor a fazer é aceitar.

Menos é mais

Em menos de 24 horas é possível sair para trabalhar, cuidar da casa, estudar, ver televisão, ler um livro, encontrar um amigo, fazer um curso, usar a internet. No fim do dia parece que ainda ficaram tarefas por fazer. Então, a primeira providência a ser tomada é ver o que é prioritário, dentre todas as suas tarefas. Observando com calma cada uma delas, você vai ver que há coisas que podem esperar. De nada adianta ter dezenas de atividades se elas não são bem aproveitadas. Diminuir o ritmo e ganhar mais tempo para relaxar significa mais saúde e tranquilidade.

Organize-se

A organização do seu espaço é fundamental para que você consiga gerenciar seu tempo. Segundo a guru da organização e autora do livro A mágica da arrumação, Marie Kondo, “quando o ambiente está em ordem, ganhamos tempo para fazer as coisas que realmente nos dão prazer”. Por isso, mãos à obra. E antes de sair para comprar caixas e prateleiras, analise tudo o que você tem e descarte aquilo que não serve mais ou está sem uso. Marie Kondo sugere descartar tudo aquilo que não te dá alegria. Para isso, é preciso analisar cada coisa profundamente. Quando estiver com tudo que você realmente quer, escolha o lugar onde vai guardar cada coisa. E lembre-se: sempre que tirar o objeto do lugar, coloque-o de volta assim que deixar de usá-lo. Esse é o segredo para a bagunça não voltar mais.

Não vá dormir sem meditar

Acalmar a mente tem um poder muito grande sobre nossas emoções e sensações. Por isso, a meditação é sempre um recurso muito eficiente para deixar nossos dias mais leves. A prática da meditação ativa o nosso Sistema Nervoso Parassimpático (responsável por acalmar nossos ânimos), tirando a atenção de assuntos estressantes, relaxando e trazendo um estado de consciência ao corpo. Ao estimular o SNP e outras partes do Sistema Nervoso, a meditação ajuda a diminuir o cortisol, que está relacionado com o estresse, e auxilia em problemas como insônia, ansiedade, fobias e distúrbios alimentares. “O segredo para colher as recompensas da meditação é desenvolver a prática diária, regular, mesmo que curta. Que tal assumir o compromisso pessoal de nunca ir dormir sem ter meditado aquele dia, mesmo que por apenas um minuto?”, propõe o médico Rick Hanson no livro O Cérebro de Buda. Quem não está acostumado a meditar pode procurar ajuda em centros de meditação, ou começar simplesmente respirando profundamente durante alguns minutos, aceitando os pensamentos que vêm e deixnado-os ir embora sem nenhuma culpa.

Informe-se, mas não exagere!

Estamos cercados por informação. Acompanhamos tudo que acontece no mundo em tempo real, pelas redes sociais. Esse é um fato irrefutável e, acho, irreversível. Porém, o excesso de informação que chega até nós por diversas vias não é saudável. Ele consome nosso tempo e energia e faz com que a gente não consiga mais parar para refletir sobre os acontecimentos. Por isso, é muito importante ficar atento à forma como você está consumindo informação. Seja seletivo no que você lê, assiste ou ouve. Ninguém precisa estar o tempo recebendo notícias, seja ela de que categoria for. Esse comportamento tem feito pessoas mais estressadas e doentes, mas não necessariamente mais bem informadas. “Estamos sempre, de algum modo, trabalhando, fazendo networking, debatendo (ou brigando), intervindo, tentando não perder nada, principalmente a notícia ordinária. Consumimo-nos animadamente, ao ritmo de emoticons. E, assim, perdemos só a alma. E alcançamos uma façanha inédita: ser senhor e escravo ao mesmo tempo”, analisa a jornalista Eliane Brum no artigo Exaustos-e-correndo-e-dopados. Analise como você consome informação e veja se isso tem sido saudável. Questione-se sobre a necessidade de checar e-mails, redes sociais e sites de notícias o tempo todo. E mude o seu comportamento para ter mais tempo, mais energia e, de quebra, informação de mais qualidade.

Seja um turista permanente

Em São Paulo, não faltam opções de atividades para todos os gostos. De um passeio pelo parque a uma ida ao museu, a cidade pode agradar qualquer pessoa durante o ano todo. O problema é que muitas vezes a gente fica com preguiça de sair de casa para conhecer lugares novos. Então, dê uma de turista de vez em quando e aproveite melhor o que a cidade oferece. Faça exatamente o que você faz quando recebe, na sua casa, alguém que não conhece São Paulo. Leve você mesmo para passear pela cidade, ver (ou rever) pontos turísticos, museus, parques, bares e restaurantes. Paisagens e pessoas novas vão ajudar a revigorar o seu ânimo.

Sua casa, um oásis

A casa é o lugar para onde se vai depois de um dia de trabalho e onde se quer descansar. Por isso, ela deve ser agradável. A dica de Allen Elkin é transformar a sua casa em um oásis urbano. “O lugar em que você mora deve ser um retiro, para protegê-lo da bagunça e da confusão à volta. Precisa ser um local para você se soltar, se recompor e relaxar”. É fundamental que seja um lugar que lhe traga bem-estar, conforto e segurança. Por isso, faça da sua casa o seu refúgio. Tenha objetos que você gosta, cores que te trazem bem-estar, espaços que te permitam relaxar. Não construa os ambientes pensando nos outros ou nas fotos do Instagram, mas pensando em você e na sua família.

A cidade é sua academia

Os exercícios físicos não ajudam somente o corpo, mas também a mente. Praticá-los com regularidade ajuda a equilibrar o organismo e melhorar a qualidade de vida. Pra quem não gosta de academia ou não tem tempo de frequentá-la, vale a pena transformar a cidade em uma academia a céu aberto. Para isso, vá a pé quando for possível. Andar é um dos melhores exercícios que existe. Incluir caminhada na rotina do dia a dia ajuda a tirar qualquer um do sedentarismo. Quem não mora perto do trabalho, pode experimentar parar o carro um pouco mais longe ou descer dois pontos antes para caminhar um pouco. Usar a bicicleta como meio de transporte também é uma alternativa para quem tem coragem de enfrentar o trânsito de São Paulo de bike. Nesse caso, é mais prudente optar por vias que possuem ciclofaixas ou ciclovias.

9 • Curiosidade não mata
Às vezes, na correria do dia a dia, mal prestamos atenção ao que está à nossa volta. A praça pela qual passamos diariamente para chegar ao trabalho, uma casa bonita no meio do caminho, um restaurante novo que abriu. Muitas vezes, inclusive, saímos de casa ou do trabalho para fazer algo longe, sendo que existe a mesma possibilidade bem mais perto. Por isso, vale a pena tirar um dia para andar pelo bairro onde moramos e onde trabalhamos. Conhecer os arredores, os serviços que são oferecidos e as pessoas que circulam pelo local pode tornar a nossa vida muito mais prática.

10 • Saia da cidade
“De tempos em tempos, para viver bem na cidade, é necessário sair dela, a fim de reaver o equilíbrio e perceber a diferença. Saindo, você consegue se refazer antes de voltar para a confusão”, diz Allen Elkin. Além das férias e feriados, experimente aproveitar um dia inteiro, por exemplo, em alguma cidade próxima, ou mesmo em uma única atração de um lugar. Acredite, pode ser revigorante! A dica é pesquisar os lugares que ficam há uma hora de distância e fazer uma lista. Você pode ir em um sábado, ou mesmo naquele dia em que você vai compensar as horas extras trabalhadas. Para quem costuma dizer que não tem tempo, Allen Elkin dá a dica: “Se você decidir esperar pelo momento certo, talvez nunca saia da cidade. Em primeiro lugar, convença-se de que não há um momento ideal, mas que você vai sair do mesmo jeito. Em vez de se pautar por uma programação imposta, crie logo uma programação de folgas para realmente garantir que você vai sair da cidade. Transforme o tempo fora em prioridade na sua vida. Pegue um calendário, sente-se e marque os períodos mais longos e os mais curtos em que você possa escapar. Espace as datas, de modo que sejam várias vezes ao ano. Agora você não precisa encontrar tempo – ele já existe”.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UM COMENTÁRIO