Hiperatividade infantil

Hiperatividade infantil

Pais e educadores ficam de cabelo em pé sem saber o que fazer

COMPARTILHE

shutterstock_148995752O fato de as crianças de hoje não darem “um minuto de sossego” aos pais, parentes e professores está se tornando um assunto recorrente e uma série de soluções para o problema é lançada no mercado, nem todas eficazes e, sem exceção, nenhuma delas preocupada de fato com a origem do problema.

No meu tempo de criança, por exemplo, criança que não sossegava precisava de atividade. Com isso em mente, os pais nos colocavam em dezenas de atividades com a esperança de que voltássemos para casa exaustos e incapazes de fazer qualquer tipo de traquinagem. Em alguns casos, funcionava, mas algumas, como eu, ainda tinham muita pilha para gastar.

Porém, se desviarmos nossos olhos da solução e seguirmos em direção ao que causa a hiperatividade, talvez consigamos solucionar esta questão indo além de receitas que já comprovamos que não funcionam. Vamos começar, então, com a seguinte pergunta: por que meu filho não consegue ficar tranquilo? Será que ele quer apenas gastar energia?

Se descartarmos a questão do gasto energético e pensarmos que toda vez que uma criança age com hiperatividade ela consegue nos tirar do sério, não seria possível imaginar que esta criança, na verdade, está querendo chamar a nossa atenção? E que, se ela não consegue isso mostrando tranquilidade ela o fará da maneira que melhor resultado trouxer? Nem que seja para levar uma bronca?

Para a psicanálise, mas é claro que não em todos os casos, crianças hiperativas nada mais são do que crianças que fantasiam que seus pais não lhes dão a atenção – subentenda-se amor, carinho e até mesmo educação – que elas gostariam.

As crianças são indivíduos extremamente antenados e não demora muito para elas perceberem que se não conseguem a atenção que querem sendo a criança que seus pais gostariam, elas conseguirão sendo a criança que seus pais não queriam ter.

Na mente de uma criança, não há baliza moral que lhe diga que é melhor ser amada por agradar do que ser amada por desagradar.

Se você tem um filho hiperativo faça um teste: experimente chegar em casa e dar atenção a ele. Desenvolva atividades com ele que necessitem de calma e concentração. Faça com que ele relaxe e se sinta atendido em sua necessidade de atenção.

Suprindo esta falta na criança você perceberá que ela mudará sua atitude. Ela irá perceber que não precisa mais chamar a atenção.

Qualquer atitude infantil merece uma reflexão. Crianças – assim como os adultos, pode acreditar – não fazem nada “de graça”.

Descubra o motivo e você encontrará naturalmente a solução.

Arthur Mendes é psicanalista integrativo, fundador do Instituto D’Alma, em São Paulo, e professor de Psicanálise Freudiana, tanto em cursos de formação de psicanalistas quanto de aprofundamento teórico e prático.
arthurmendes@institutodalma.com.br • www.institutodalma.com.br

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UM COMENTÁRIO