Doenças do frio

Doenças do frio

Gripes, resfriados e sinusite entram para a rotina das pessoas nesta época do ano. Veja como evitá-los e tratá-los

COMPARTILHE

shutterstock_173824856É nessa época de outono e inverno, quando o clima fica cada vez mais frio e seco, que começam a surgir as doenças próprias destas estações, principalmente a gripe e o resfriado. Estas doenças, apesar de serem muito confundidas pela semelhança dos sintomas, são distintas e causadas por vírus diferentes.

Atacam predominantemente o sistema respiratório das pessoas e podem se manifestar com alguns sintomas como: mal estar geral, perda do apetite, irritação na garganta, coriza, tosse com ou sem catarro, espirros, febre, dor de cabeça e no corpo.

É importante lembrar que nem sempre todos estes sintomas ocorrem juntos e que a intensidade destes varia de uma pessoa para outra. A transmissão é feita através de gotículas de saliva e secreções respiratórias da pessoa doente ao falar, tossir ou espirrar e por contato direto, principalmente quando a higiene das mãos é negligenciada.

“A prevenção é, de longe, a melhor forma de evitar o contágio e as possíveis complicações destas viroses”, explica o professor Lucas Macedo, do curso de Medicina da Universidade de Franca (UNIFRAN). Ele separou 10 dicas para passar por este período do ano com a saúde em dia:

1. Mantenha uma alimentação saudável e equilibrada. A não ser que exista indicação médica, não faça uso de vitaminas por conta própria. É melhor e mais barato investir na alimentação correta.
2. Faça uma hidratação vigorosa com bebidas saudáveis.
3. Pratique atividade física regular.
4. Descanse e tenha boas noites de sono. Em conjunto com as medidas acima, este hábito também fortalecerá o sistema de defesa do seu organismo.
5. Se você já é portador de alguma doença, principalmente as que afetam o pulmão, coração e a diabetes, é importante mantê-las controladas e com acompanhamento regular do seu médico.
6. Cheque sua carteirinha de vacinação. Ela deve estar sempre em dia. Lembre-se que todo ano há campanha de vacinação contra a gripe.
7. Reconheça os primeiros sintomas de gripe ou resfriado, procure seu médico rapidamente para que seja iniciado o tratamento adequado.
8. Lave sempre as mãos! É a medida mais eficaz para evitar a transmissão destas doenças.
9. Ao tossir ou espirrar, proteja a boca e o nariz com as mãos ou um lenço. Depois não se esqueça de lavá-las! Evite uso conjunto de copos, talheres e toalhas.
10. Evite ambientes fechados e aglomerações, muito comuns em dias frios. Deixe sua casa e seu ambiente de trabalho sempre arejados.

Sinusite

Junto com as gripes e resfriados, também é comum, nesta época do ano, casos de sinusite.

A sinusite é caracterizada por um processo inflamatório dos seios da face. Também conhecida por “rinosinusite”, por acometer o nariz, pode ter origem viral, bacteriana ou fúngica. A bacteriana, principalmente, pode se apresentar nos tipos aguda e crônica. A primeira é caracterizada por crises entre um dia e três meses e a segunda por episódios recorrentes acima desse período.

shutterstock_113796595“A sinusite crônica ainda pode ser caracterizada por aparições com e sem pólipo. É importante observar, pois são situações com evoluções muito diferentes. O indivíduo que apresenta sinusite crônica com pólipo tem maior dificuldade para ficar curado”, afirma o médico José Eduardo Lutaif Dolci, diretor do curso de medicina e professor titular de otorrinolaringologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Comumente confundida com rinite alérgica por compartilhar sintomas, o paciente com sinusite apresenta: nariz entupido, secreção amarelada em um dos lados ou ambos os seios da face e voz anasalada. Em alguns casos, o indivíduo apresenta febre, porém sempre baixa.

“A sinusite também acomete crianças, que compartilham sintomas dos adultos e tosse. É importante ficar atento aos sintomas, pois em quadros diagnosticados como sinusite, apresentar febre alta pode significar evolução para um caso mais grave. Ela pode evoluir para uma complicação orbitária (nos olhos), com inchaço e vermelhidão e, se extremo, pode provocar cegueira” explica o professor. “Além disso, também pode ter evolução para complicação intracraniana como meningite, por exemplo. E não são casos raros. Por isso, é necessário sempre que uma crise de resfriado durar mais de 10 dias, procurar um profissional para o tratamento adequado”, alerta.

O especialista comenta que a sinusite é um processo inflamatório com início, meio e fim. Portanto, é incorreto dizer que uma pessoa possui a disfunção. “Pessoas que possuem rinite alérgica e não tratam, que têm desvio do septo ou trabalham em ambientes impróprios (como frigoríficos, chapa, minas de carvão ou escritórios com ar condicionado forte) têm maior facilidade de desenvolver a doença. Porém, não são pacientes que necessariamente terão episódios recorrentes”, diz.

Para o tratamento da sinusite viral, são indicados medicamentos descongestionantes, analgésicos e a limpeza do nariz com soro fisiológico. “Na situação bacteriana, é necessário o antibiótico. Se aguda, com amoxilina e, em alguns casos, com corticoide. Na sinusite crônica, é necessário verificar a origem do problema. Assim, o processo é, na maior parte das vezes, cirúrgico com limpeza dos seios da face”.

Para prevenir possíveis crises, ele indica lavar sempre a região do nariz com soro e evitar permanecer muito tempo em locais fechados sem circulação do ar. “Se o soro da farmácia for caro, o ideal é ferver um litro de água com uma colher pequena de sal. Depois de morna, aplicar no nariz. Isso evita que os processos de inflamação se iniciem”, finaliza.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UM COMENTÁRIO