Depressão: o mal deste século

Depressão: o mal deste século

COMPARTILHE

Segundo pesquisas realizadas no País, um em cada 10 brasileiros sofre de depressão, ou seja, um número muito grande de pessoas anda por aí a maior parte do tempo se sentindo infeliz, com insônia, com uma boa dose de indiferença diante da vida e, em casos extremos, ansiando pela morte para dar fim a sua existência.

O que causa a depressão do ponto de vista que interessa à Psicanálise é a sensação de que o controle de nossas vidas está fugindo por entre os dedos. Um indivíduo sente que a qualquer momento pode perder o emprego e nada poderá mudar esta situação. Ou então, dentro de casa, um pai ou uma mãe sentem que seus filhos estão saindo de seu controle e fazendo coisas que poderão prejudicá-los e, por mais que eles aconselhem ou tentem retomar as rédeas da situação, isso não acontecerá.

São inúmeras as situações que podem levar alguém à depressão, porém, tratá-la apenas com medicamentos só irá minimizar os sintomas, mas jamais resultará numa amenização do problema a médio e longo prazos. A depressão vista como o resultado da incapacidade de controlar uma situação está relacionado com a forma que um indivíduo percebe sua vida.

No caso de uma eminente perda de emprego, um indivíduo preparado para pensar de forma realista, em vez de se deprimir com o fato, procurará formas de sobreviver no mercado. Para alguém acostumado a lidar com a frustração, buscar saídas é uma alternativa que jamais será colocada de lado.

No caso de um problema emocional, relacionado a sua vida pessoal ou a de um ente querido, alguém com maior autoestima, mais centrado na solução de problemas do que interessado em fugir deles irá procurar ajuda para se compreender melhor e avaliar que decisões precisam ser tomadas para solucionar o problema. A depressão é o sintoma de quem se entrega, de quem não está acostumado a ser “peitado” pela vida.

Se pararmos para analisar, não é difícil perceber que entre aqueles que se deprimem estão indivíduos que durante a infância não tiveram que lidar com a perda ou com a necessidade de se adaptar para sobreviver. Eles sempre tiveram tudo facilitado, nunca tiveram que lutar para conquistar algo e, já adultos, preferem se entregar à depressão a ter que arrumar uma saída para os seus problemas.

Em meio a uma crise de depressão, é claro que temos que tirar a pessoa da crise, mesmo que seja usando medicamentos. Mas, passada a fase crítica, a melhor estratégia é encaminhar o depressivo para a psicanálise, onde ele tentará desatar os nós psíquicos que o ligam à tendência de fugir da realidade cotidiana.

Arthur Mendes é psicanalista integrativo, fundador do Instituto D’Alma, em São Paulo, e professor de Psicanálise Freudiana, tanto em cursos de formação de psicanalistas quanto de aprofundamento teórico e prático.
www.institutodalma.com.br

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UM COMENTÁRIO