Alfarroba: você conhece? 0 729

Alternativa ao chocolate, a alfarroba é a nova queridinha de quem não resiste a um doce, mas não descuida da saúde

Parece chocolate, tem cor e textura semelhantes, mas não é. O gosto é um pouco mais amargo, mas nada que tire o prazer de apreciar cada pedacinho derretendo na boca. O doce feito de alfarroba é a mais recente descoberta dos apaixonados por chocolate, mas que não descuidam da dieta – as vantagens com relação ao cacau são muitas.

Nativa da costa do Mediterrâneo, a alfarroba é uma vagem marrom-escura comestível proveniente da Alfarrobeira, uma árvore selvagem, resistente à seca e que consegue crescer em regiões de solo muito pobre. “O fruto tem entre 10 e 17 cm de comprimento e possui de 10 a 17 sementes que são retiradas, processadas e utilizadas como aditivo natural na alimentação humana. A polpa que resta, após a secagem, trituração e torrefação, dá origem ao pó ou farinha de alfarroba”, explica nutricionista Luci Mara Miura Yamadam, da Unoeste.

Bastante saborosa, a farinha de alfarroba é um produto industrializado e utilizado em substituição ao cacau, porém com os mesmos valores nutricionais das leguminosas. “Apesar das semelhanças, a concentração de gordura é menor o que, consequentemente, diminui sua palatabilidade. Portanto, se a ideia for que ela faça às vezes do cacau, é preciso combiná-la com outros ingredientes e preparações mais gordurosas que ajudem a manter o sabor na boca”, explica Priscila Chasseraux, coordenadora do Curso de Nutrição da Universidade Anhanguera.

Naturalmente doce, a alfarroba dispensa o uso de açúcar na fabricação de seus produtos. Ou seja, pode ser considerado um aliado contra o diabetes, outra razão que explica por que tem se tornado uma importante alternativa ao verdadeiro chocolate. Segundo a chef Lidiane Barbosa, especializada em Gastronomia Funcional, isso acontece devido às fibras que fazem com que a digestão seja mais lenta, processo importante para controlar os níveis de açúcar no sangue. “Sem falar que elas estimulam o bom funcionamento do intestino”, diz.

A alfarrobeira é nativa da costa do Mediterrâneo

E não para por aí. “A alfarroba é rica em vitamina A, essencial para a saúde da pele, dentes, ossos e visão. A presença da vitamina B1 ajuda no bom funcionamento do sistema nervoso, dos músculos e do coração, enquanto a vitamina B2 ajuda a metabolizar proteínas, gorduras e carboidratos no organismo. Minerais como cálcio, magnésio e ferro, além de potássio e sódio, em quantidades balanceadas, são encontrados na alfarroba. Ela ainda tem propriedade saciante e afrodisíaca”, pontua Lidiane.

A ausência de glúten e lactose faz da alfarroba uma excelente indicação para pessoas com restrições alimentares, bem como para alérgicos, por ser livre de corantes, conservantes e aromatizantes. Ela não possui qualquer agente alergênico ou estimulante – como cafeína e teobromina – possui altos índices de carboidratos e baixo nível de gordura saturada em sua composição. Graças à ação antioxidante, que combate os radicais livres, a alfarroba ainda ajuda a prevenir o envelhecimento das células e até o câncer.

Docinhos feitos de Alfarroba.

Se consumida em quantidade moderada, também é uma alternativa para o emagrecimento. A forma como será consumida deve ser considerada, pois pode estar associada com açúcar e gordura nas preparações como, por exemplo, bombom. Em comparação com o chocolate, o índice de sódio e o valor calórico são bastante reduzidos. “Enquanto o cacau possui até 23% de gordura e 5% de açúcar, a alfarroba possui 0,7% de gordura e um alto teor de açúcares naturais, 20 a 30% de sacarose, glicose e frutose”, compara Luci.

Priscilla ressalta que, além da farinha, a alfarroba pode ser encontrada em barras e trabalhada para virar coberturas de bolos, doces e até ovos de Páscoa. Para a felicidade geral, o uso na formulação de biscoitos, pães, bolos, massas, sobremesas, bebidas lácteas e achocolatados tem sido cada vez mais comum. “Se encontrar a vagem da alfarroba, dá para acrescentar até como ingrediente nas saladas e fazer umas receitas criativas”, revela Lidiane. Para substituir pelo cacau, basta usar a mesma medida e o prato ficará bastante saboroso e menos gorduroso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As + Acessadas

Video