Quando usar isotônicos? 0 881

Bebidas são ideais para quem pratica atividade física de alta intensidade e não devem ser usadas por quem faz exercício moderado

À venda em qualquer supermercado ou padaria, as bebidas isotônicas são muito consumidas por quem faz exercício físico. E embora seja esse mesmo o público-alvo, nem sempre é necessário fazer uso desse tipo de bebida para ficar hidratado. A não ser que o exercício seja muito intenso e por um longo período, a água é suficiente. Mas como o acesso é fácil e essas bebidas são refrescantes e saborosas, muita gente prefere se render ao prazer. Então, é bom ficar ciente das vantagens e desvantagens de se abusar dos isotônicos no dia a dia.

Os isotônicos são soluções com concentração de moléculas semelhantes aos fluídos do nosso corpo. Além da água, possuem carboidratos e eletrólitos como sódio e potássio e foram desenvolvidos para hidratar, repondo líquidos e sais minerais perdidos pelo suor durante a transpiração. “Tanto os isotônicos quanto a água repõem o líquido que vai embora durante os exercícios, mas a água não devolve o sódio, o potássio e o magnésio que são perdidos com o suor. Em uma atividade como a corrida, não teríamos muitos motivos para que a hidratação fosse feita com algo além da água, caso a duração fosse até aproximadamente uma hora. Isso porque as reservas glicêmicas de nosso organismo seriam suficientes para manter a glicemia sanguínea em níveis aceitáveis. Os isotônicos, por terem uma concentração de eletrólitos semelhante aos fluidos do nosso corpo, podem ser incorporados e transferidos para a corrente sanguínea. Eles também possuem carboidratos, que reduzem o esvaziamento gástrico. Por isso a sua ingestão só é aconselhada para atividades com durações maiores (mais de 2h) em ambientes que propiciem grande sudorese, como sob altas temperaturas e baixa umidade. Só há necessidade de consumi-los se você perder mais de 2% de peso corporal durante a atividade física”, explica a nutricionista Simone Barbosa.

A grande vantagem dos isotônicos sobre a hidratação com água é que nos casos em que há uma perda grande de sais minerais, eles fazem o corpo voltar a um equilíbrio. “Com a transpiração, nosso corpo perde muita quantidade de água e sais minerais, criando um desequilíbrio que pode originar, entre outros efeitos, cãibras. Esses sais minerais estão presentes nos isotônicos, sendo assim repostos. A composição fundamental dessas bebidas é a combinação entre os sais de sódio, de potássio e, em menor escala, sais de magnésio, usados em forma de cloretos e fosfatos. Porém não devem substituir a ingestão de água”, explica Simone.

Quem pode

Tanto adultos quanto crianças podem consumir os isotônicos, desde que isso seja realmente necessário. Porém, é preciso ficar atento a alguns detalhes já que a bebida pode acarretar problemas em diabéticos e pessoas que possuem problemas renais, uma vez que a quantidade de sais minerais pode sobrecarregar os rins. “Crianças com menos de 10 anos não devem tomar, pois o rim ainda está em formação nessa idade e não é capaz de eliminar excesso de sais minerais. Pessoas com algum tipo de insuficiência renal ou com problemas de pressão alta também não devem tomar. Além disso, vale lembrar que os isotônicos possuem sempre corantes e conservantes”, avalia Simone.

Os diabéticos formam um outro grupo que deve ficar atento aos isotônicos, já que a bebida é industrializada e possui açúcar e carboidratos em sua formulação. “Os diabéticos devem ter a autorização dos seus médicos e verificar a quantidade de carboidrato/glicose na formulação, pois pode haver variação entre as marcas disponíveis no mercado”, alerta Jomar Souza, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte. Esse alerta vale também para quem quer perder peso. De nada vai adiantar suar a camisa se, depois do exercício, você ingerir uma grande quantidade de isotônico cheio de açúcar.

Qual escolher

Diante de tantas opções da bebida no mercado, é bom ficar atento ao rótulo para escolher aquele que pode ser mais eficiente no que se propõe. Segundo Jomar, quanto mais diluído for o isotônico, mais rápida será a absorção, o que vai melhorar o processo de hidratação.

“O total de carboidratos não deverá ultrapassar 20g para serem absorvidos mais rapidamente pelo organismo. O tipo de carboidrato também é importante, pois o ideal é que seja uma fórmula balanceada que apresente glicose, frutose e não somente sacarose, como é o caso de alguns. A presença de sódio e potássio é fundamental para facilitar a absorção. A presença de cloreto nas formulações também é desejável, visto que também perde-se cloro através do suor”, explica Simone.

Se você não gosta ou não quer arriscar com os isotônicos, experimente usar a água de coco que, além repor os sais minerais, é natural e não tem conservantes ou corantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As + Acessadas