Trem bão, uai! 0 483

Deixe a pressa em casa e aproveite para descansar na serra mineira de Gonçalves

Percorrer os 200 km que separam São Paulo de Gonçalves é seguir em direção a tranquilidade. Com apenas cinco mil habitantes (dos quais apenas mil moram na área urbana, e o restante na zona rural), a cidade serrana é um desses lugares que fazem os paulistanos pararem para pensar por que, afinal, moram em uma cidade tão frenética? Não é à toa que eles andam comprando casas e montando seus estabelecimentos comerciais por lá. Pequena e bucólica, Gonçalves é um lugar que vive, principalmente, da agricultura, mas que, aos poucos, vê o seu turismo ser incrementado.

Hoje, são cerca de 40 pousadas na região, a grande maioria incrustada no meio do mato, envolta pela serra mineira com suas curvas e encantos. Os atrativos turísticos são as cachoeiras, pedras, mirantes e paisagens. Além, é claro, do clima serrano e aconchegante, que, no inverno, convida a um bom vinho à frente da lareira e, no verão, pede um banho gelado de cachoeira. Embora já explore o turismo há algum tempo, Gonçalves mantém o clima pacato da vidinha do interior. Por isso, vale investir naquele turismo sem pressa e sem agenda. Chegar sem saber exatamente qual roteiro seguir pode render boas conversas e descobertas. Os moradores, sempre falando com aquele sotaque mineiro bem acentuado, são muito acolhedores e, para a surpresa dos paulistanos – acostumados com pessoas que não conversam e não dão informação –, não se incomodam em “frear” os cavalos para explicar como se chega a determinado lugar.

E você vai precisar de boas informações, já que não é um lugar com trilhas bem marcadas ou uma sinalização que beneficie os turistas. Por lá, é preciso perguntar como se chega às cachoeiras, pedras e mirantes. Algumas, como a do Simão, são de acesso muito fácil, inclusive para crianças e idosos, já que não é preciso enfrentar nenhuma pirambeira. Se a escolhida for a Sete Quedas, estacione o carro na pousada Trem das Cores (geralmente, eles cedem o estacionamento aos turistas, que acabam passando na loja da pousada para comprar artesanato) e não deixe de seguir o Cocara, um cão que recepciona os visitantes na porta do carro. Com seu andar rápido, ele acompanha todo mundo até a cachoeira e aproveita para se refrescar. E entre uma cachoeira e outra, não deixe de apreciar a paisagem. A serra de Gonçalves é belíssima, mesmo se o clima estiver seco.

O cachorro Cocara guia os turistas até uma das cachoeiras
Mesas do Kitanda Brasil ficam em um jardim

Culinária

O turismo gastronômico começa aos sábados, quando há uma feira de orgânicos na qual é possível comprar verduras, alguns doces e biscoitos e um delicioso bolo de gengibre. Também não deixe de levar uma bolsa térmica e passar na quitanda da cidade para comprar um queijo branco e trazer um pouco do sabor de Minas de volta para São Paulo.

Quando for almoçar, o Kitanda Brasil é parada obrigatória. O restaurante da chef Tanea Romão é um passeio imperdível. O salão principal é, na verdade, um jardim com Ipê, Jasmim, Jabuticabeira e outras árvores. As mesas, rústicas e despretensiosas, ficam espalhadas pela grama e convidam a passar algumas horas saboreando o menu degustação. Uma das fundadoras da Senhora das Especiarias, empresa de geleias  exóticas que tem sede em Gonçalves e vende seus produtos nos empórios mais badalados de São Paulo, Tanea é uma chef/pesquisadora. Há um ano ela abriu o restaurante, que possui apenas um menu degustação. No dia em que a reportagem esteve lá, foram servidos pães acompanhados de manteiga aromatizada em quatro sabores (alho, abacaxi, frutas do bosque e manga); bolinho de arroz acompanhado com uma mistura de mel com pimenta e mel com manjericão; bolinho de tapioca com creme de chocolate com cachaça; bolinho de polvilho com creme de cupuaçu e pimenta; pururuca; salada de folhas com molho de mostarda, morango e rosas; e, finalmente, o prato principal, com costela assada no fogão à lenha, arroz, tutu de feijão e couve rasgada. De sobremesa, uma sopa de queijo com doce de leite e doce de mamão cristalizado. Para acompanhar o cardápio, não deixe de bater um papo com a Tanea. Circulando pelo “salão”, ela ajuda a servir os clientes e ainda está sempre disposta a explicar sobre os pratos, os ingredientes, o restaurante ou, simplesmente, conversar.

Ainda na cidade, faça uma visita ao Bar do Marcelo, que tem uma adega no subsolo onde se encontram centenas de rótulos de cachaça. Para quem procura um lugar que lembre um pouco São Paulo, vale a pena visitar o Café com Verso, um misto de café e livraria que é mais um dos lugares montados por paulistanos que abandonaram a loucura de São Paulo pela tranquilidade de Gonçalves.

Além de conhecer as belas paisagens e experimentar a boa gastronomia, passear por Gonçalves também significa se perder. Quem estiver com disposição, pode pegar o carro e, simplesmente, ir passeando pela serra. É possível encontrar casas à venda, lugares que vendem doces e amoras, alem de ateliês de arte. A paisagem bucólica fica ainda mais bonita quando se avistam casas charmosas, uma capela ou árvores frondosas. E não se acanhe em parar diante de um lugar com a placa de “vende-se alguma coisa”. Na sua mineirice, os moradores com certeza o receberão de braços abertos.

Como Chegar
Rodovia Carvalho Pinto (204 km)

Rodovia Fernão Dias (182 km)
www.goncalves.mg.gov.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As + Acessadas

Video